segunda-feira, 28 de março de 2016

LIVRO O DIA EM QUE ELES CHEGARAM DE ELESSANDRO DE ALMEIDA

FALA GALERA...COMO UM BLOGUEIRO NOTÍVAGO, EU USO AS MADRUGADAS PARA ME INSPIRAR,E ATRAVÉS DESSAS INSPIRAÇÕES DA NOITE,EU ESCREVI MEU LIVRO INTITULADO: O DIA EM QUE ELES CHEGARAM...NA VERDADE,ERA PARA SER O ROTEIRO DO MEU QUARTO FILME,MAS ENTÃO EU DECIDI TRANSFORMA-LO EM UM LIVRO DE SUSPENSE,MISTÉRIO,E FICÇÃO CIENTÍFICA. COM UMA PITADA DE UFOLOGIA QUE EU TAMBÉM ADORO. "O DIA EM QUE ELES CHEGARAM" CONTA A INTRIGANTE HISTORIA DE UMA PEQUENA ALDEIA INDÍGENA QUE INEXPLICAVELMENTE POUCO A POUCO, COMEÇA A SER ABDUZIDA POR ESTRANHAS E MISTERIOSAS CRIATURAS NOTURNAS...
O DIA EM QUE ELES CHEGARAM...
Você pode achar que eles não existem...Mas eles sabem que você existe. 
No meio da selva, uma pequena e pacata aldeia indígena vivia em paz com a natureza, mas estranhas coisas começaram a acontecer.Misteriosamente um grupo de homens brancos chegou para pesquisar sobre a origem da tribo. Com o passar do tempo, alguns indígenas começam a desaparecer sem deixar rastros, O medo e as suspeitam aumentam, e os indígenas começam a pensar que talvez aqueles simpáticos forasteiros, também estejam envolvidos nos desaparecimentos, mas o que os membros da tribo Arara estavam presta a descobrir, seria algo maior que suas mentes podiam imaginar. Afastados da civilização, e Isolados no meio da floresta, todo cuidado é pouco, pois a harmonia da tribo nunca mais foi à mesma desde o dia em que eles chegaram...
= CAPÍTULOS DO LIVRO:
CAPÍTULO 01: VULTOS NEGROS
CAPÍTULO 02: A CHEGADA
CAPÍTULO 03: DE ONDE VIEMOS
CAPÍTULO 04: O GRITO DE AYRA
CAPÍTULO 05: ONDE ESTA HOTXUÁ
CAPÍTULO 06: LUZES NA ÁGUA
CAPÍTULO 07: HABITANTES EXTERNOS
= PERSONAGENS DO LIVRO: 

= TURUNA: O MAIS VALENTE, FORTE E AGIL CAÇADOR DA ALDEIA. SUA ESPECIALIDADE ERA A PESCA, E FAZER ARMADILHAS. ELE É NOIVO DE PORÃ. 

= PORÃ: A FILHA DO CACIQUE, E A MULHER MAIS BELA DA TRIBO. SUA ESPECIALIDADE ERA FAZER ROUPAS, ADEREÇOS E ADORNOS PARA TODA TRIBO. ELA É NOIVA DE TURUNA.

= UPIARA: O MELHOR CONSTRUTOR,E O ENGENHEIRO DA ALDEIA, ELE É O FABRICANTE DE ARMAS. SUA ESPECIALIDADE ERA CONSTRUIR CANOAS, E AS CASAS DA ALDEIA.

= TUPÃ: O PAJE, O MEMBRO MAIS VELHO E SÁBIO DA TRIBO. POR SER O CURANDEIRO, SUA ESPECIALIDADE ERA A MEDICINA ALTERNATIVA, ATRAVES DE ERVAS E ORAÇÕES.

= TIBIRIÇA: O CACIQUE, CHEFE E O LÍDER DA ALDEIA. SUA ESPECIALIDADE ERA A EXPERIÊNCIA ADQUIRIDA EM LONGAS VIAGENS, E OS ANTIGOS CONTATOS COM HOMENS BRANCOS. 

= ACI: A MAIS VELHA DAS MULHERES, CHAMADA DE MÃE DA TRIBO POR SER A PARTEIRA DA ALDEIA, MESTRE EM ARTESANATO, SUA ESPECIALIDADE ERA CESTARIA, E OBJETOS DE BARRO. 

= AYRA: NETA DE ACI, FILHA DE BARTIRA E ABAETÉ, UMA DAS CRIANÇAS DA TRIBO, E A MELHOR AMIGA DE CAINÃ, ELA FOI A PRIMEIRA ARARA SEQUESTRADA PELOS VULTOS NEGROS. 

= HOTXUÁ: É O PALHAÇO DA TRIBO, SEMPRE FELIZ TOCANDO SUA FLAUTA PÃ, COM SUAS BRINCADEIRAS, E IMITAÇÕES DE ANIMAIS, ELE FAZ A ALEGRIA DE TODA A ALDEIA, PRINCIPALMENTE A DAS CRIANÇAS. 

= CAINÃ: UMA DAS CRIANÇAS DA TRIBO, IRMÃO MAIS NOVO DE UPIARA, E O MELHOR AMIGO DE AYRA. O MENINO FOI A CHAVE DE TODO O MISTÉRIO. 

= BARTIRA: FILHA DE ACI, MULHER DE ABAETÉ, E MÃE DE AYRA. 

= ABAETÉ: UM DOS GUERREIROS DO CACIQUE, E GUARDA DA ALDEIA, MARIDO DE BARTIRA, E PAI DE AYRA.

 

= OS MEMBROS DA EXPEDIÇÃO ORIGENS: 

= KINAYA: A FASCINANTE LÍDER DA EXPEDIÇÃO ORIGENS, ELA É CIENTISTA, E A MAIS INTELIGENTE DO GRUPO, ESPECIALISTA EM FILOLOGIA, ENGENHARIA CIENTIFICA, E MEDICINA MODERNA. ERA CHAMADA PELOS ARARAS DE: OLHOS AZUIS.

= FLYNN: O SEDUTOR BOTÂNICO DA EXPEDIÇÃO, CONSIDERADO UM GALÃ, ELE É BONITO, CHARMOSO, E ESPECIALISTA EM FICOLOGIA, TAXONOMIA, ETNOBOTÂNICA, BIOQUIMICA, FITOPATOLOGIA, E BIOLOGIA. ERA CHAMADO PELOS ARARAS DE: CABELOS DE FOGO.

= CAÍQUE: O EXCÊNTRICO ZOÓLOGO DA EXPEDIÇÃO, O MAIS INTERATIVO E SELVAGEM DO GRUPO, ESPECIALISTA EM ENTOMOLOGIA, ICTIOLOGIA, ORNITOLOGIA, HERPERTÓLOGIA, MALACÓLOGIA, E CETOLOGIA. ERA CHAMADO PELOS ARARAS DE: O BARBADO.

= KYLIE: A ARQUEOLOGA DA EXPEDIÇÃO, A MAIS MISTERIOSA E SILENCIOSA DO GRUPO, SEMPRE COMPENETRADA NO SERVIÇO, ELA TINHA COMO ESPECIALIDADE, A GEOLOGIA, PALEONTOLOGIA, E A ARQUEOLOGIA SUBAQUATICA. ERA CHAMADA PELOS ARARAS DE: A BRANCA.

= AKIRA: O DOCUMENTARISTA DA EXPEDIÇÃO, ELE REGISTRA CADA PASSO DA EXPEDIÇÃO NA ALDEIA, ATRAVÉS DE VIDEOS, FOTOS, E ETC...E ALEM DE SER O MAIS SIMPÁTICO DA EQUIPE, ELE É ESPECIALISTA EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS, E EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. ERA CHAMADO PELOS ARARAS DE: OLHOS RASGADOS.

= JAY: É O SOLDADO DA EXPEDIÇÃO, CONSTANTEMENTE MAL HUMORADO E DESCONFIADO, ELE É O MAIS FORTE DOS HOMENS DA EQUIPE, SEMPRE ALERTA, SUAS ESPECIALIDADES, ERA O RASTREAMENTO E A SOBREVIVÊNCIA NA SELVA, ALEM DE SER UM EXCELENTE CAÇADOR, JAY TAMBÉM É UM ESTRATEGISTA MILITAR, TENDO SEMPRE AO LADO DE SUAS IMPONENTES ARMAS. ERA CHAMADO PELOS ARARAS DE: O CARA FEIA.

sexta-feira, 25 de março de 2016

GRUPO BRÔ MC'S - EJU ORENDIVE RAP INDÍGENA

FALA GALERA...QUANDO DIZEM QUE NÃO HÁ PAIS NO MUNDO MAIS CULTURAL QUE O BRASIL,EU COMEÇO A PENSAR QUE NÃO MESMO,APROVA DISSO É GRUPO DE RAP, BRÔ MC'S,UM GRUPO FORMADO POR QUATRO GAROTOS INDÍGENAS,QUE USAM A MODERNIDADE DO RAP,PARA PROTESTAR COM SUAS MUSICAS AS DIFICULDADES DA VIDA DOS INDÍGENAS NO BRASIL.O SOM ORIGINAL E ÚNICO DOS BRÔ MC'S MISTURA O PORTUGUÊS COM A LÍNGUA GUARANI. O GRUPO É O GRITO DOS JOVENS GUARANI-KAIOWÁ TENTANDO SOBREVIVER NA CAPITALISTA SOCIEDADE DO HOMEM BRANCO,ELES ESTÃO BOMBANDO NAS REDES SOCIAIS,E COM SUAS MUSICAS FORTES E REALISTAS,OS GAROTOS ESTÃO CONQUISTANDO MAIS FÃS PELO BRASIL A CADA DIA,ENTÃO CONHEÇAM MELHOR ESSE CONSCIENTIZADOR GRUPO DE RAP,OS BRÔ MC'S...
Brô MC’s é o primeiro grupo de rap indígena do Brasil. Utilizam em suas músicas rimas que mesclam o português com o idioma guarani e as divulgam em vídeos nas redes sociais, com o objetivo de aproximar os não índios de assuntos que abordam lutas, anseios, conquistas e vitórias dos povos indígenas de todo o Brasil. Os integrantes do Brô MC’s vivem na aldeia Jaguapirú Bororó em Dourados (MS), a mais populosa e violenta da região fronteiriça entre Brasil e Paraguai, e utilizam o rap como ferramenta de defesa e denúncia contra o preconceito e racismo.
Trazem toda a desenvoltura dos jovens indígenas para cativar e encher ouvidos, olhos e corações por onde cantam, mostrando por meio do rap indígena suas vivências, seus sonhos e a representação não apenas dos guaranis e kaiowá, etnias das quais são pertencentes, mas de todas as etnias do Brasil e da América Latina.

Os olhos do índio Bruno Verón dizem que algo na aldeia não vai bem. Junto a três outros jovens da mesma tribo, ele tranca o sorriso, amarra o Nike e mira o alvo: o governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli. André está sentado na primeira fileira ao lado do prefeito de Dourados, Murilo Zauith, e de vereadores que inauguram com festa e discursos a Vila Olímpica Indígena da região, um espaço esportivo com campo de futebol e quadras de basquete. Bruno terá sua chance logo depois das meninas dançarinas da etnia terena. Assim que o locutor anuncia a entrada de seu grupo de rap, o Brô MC"s, o índio procura pelo governador na platéia e joga a lança: "Esta vai pra vocês que não conhecem nossa realidade, que não sabem dos nossos dilemas. Aldeia unida mostra a cara! A real que Bruno canta forte, em uma mistura de guarani e português, está bem perto daquele complexo esportivo de R$ 1,6 milhão cheirando a tinta. Sua casa de quatro cômodos é dividida entre ele, a mãe, o pai e cinco irmãos. O avô morreu espancado supostamente por capangas de fazendeiros que queriam os indígenas longe dali. O irmão mais velho escapou por pouco, mas leva um projétil alojado na perna. Na casa dos Verón, arroz e feijão são lei. Carne, pouca. Salada, "coisa de paulista". Mandioca brota no quintal. Banho, só de caneca. A geladeira está quebrada. A TV funciona. O Playstation, também. E sempre, a qualquer hora, os celulares dos garotos tocam Eminem, Snoop Doggy, Racionais, MV Bill e Fase Terminal.
O ritmo duro e constante de uma expressão 90% percussiva estaria facilmente em um ritual caiová. "Eu não pensava nessas coisas antes do rap. Ele que me fez ver nossa situação", diz Bruno Verón. Foi em Bruno e no seu irmão Clemerson que o ritmo bateu primeiro. "É nossa chance de sermos ouvidos fora da aldeia", diz o líder. Kelvin e Charles, os outros dois integrantes e também irmãos entre si, foram recrutados na escola. Apesar dos nomes, todos são legítimos guarani-caiovás. Há muitos jovens registrados com "nomes brancos" na aldeia, como se percebe em uma conversa rápida com os garotos sobre rock and roll. "E vocês conhecem os Beatles?" "Sim, o John Lennon mora logo ali", fala Charles, apontando para a vizinhança. Ele ri, mas é sério. John Lennon, Elton John, Jack, Jackson e Sidney Magal são índios de 16, 17 e 18 anos que também escutam rap. Os meninos andam pela reserva com camisetas do Eminem e dos Racionais MC"s, tênis de basquete, bonés coloridos e celulares tocando rap. Quando se encontram, tocam as mãos abertas e depois fechadas como se faz na cidade. Muitos aprendem a dançar break em oficinas ministradas pela Cufa (Central Única de Favelas). Em uma delas, Higor Marcelo, cantor do grupo Fase Terminal, conheceu os garotos e passou a produzi-los. "Fiquei maravilhado quando ouvi", diz. Higor fez um CD demo dos garotos e agora fecha a produção para o fim do ano de um primeiro disco do Brô MC"s.
ENFIM GALERA...O RAP DELES É MUITO LEGAL,MAS É A CULTURA INDÍGENA NO BRASIL É MUITO ESQUECIDA,TANTO QUE QUASE NINGUÉM SABE QUE DATA SE COMEMORA O DIA DO ÍNDIO,QUE É 19 DE ABRIL,OS BRÔ MC'S EM POUCO TEMPO JÁ APARECERÃO EM ALGUNS PROGRAMAS DE TV PELA ORIGINALIDADE, MAS SE VCS AINDA NÃO OUVIRAM O SOM DELES,CONFIRAM AI ALGUNS DE SEUS VÍDEOS,VLW GALERA ATE: