sexta-feira, 29 de abril de 2011

O PRÍNCIPE DO BRASIL,QUEM É O PRÍNCIPE DO BRASIL ???

FALA GALERA...COM ESSA FEBRE DE CASAMENTO REAL,UM MISTÉRIO VEIO NA MINHA CABEÇA,TODOS FALAM DOS FAMOSOS PRÍNCIPES HARRY E WILLIAM DA INGLATERRA,MAS ALGUEM JA SE PERGUNTOU QUEM É O PRÍNCIPE DO BRASIL ???...MAS APESAR DE DESCONHECIDA PELA GRANDE POPULAÇÃO NACIONAL,
AINDA EXISTE UMA FAMÍLIA REAL BRASILEIRA...
  E NELA TBM TEMOS UM PRÍNCIPE,SEU NOME É RAFAEL,PRECISAMENTE príncipe Dom Rafael de Orleans e Bragança,ELE TEM 24 ANOS,Filho de D. Antonio, assumiu prontamente o desafio de manter a força da causa monárquica junto aos jovens após o precoce falecimento de seu irmão D. Pedro Luiz no acidente do avião da Air France. Humilde e revelando preparo, apesar de jovem D. Rafael sabe da importância que tem para o futuro do movimento no País. 
“Já desde pequeno o meu pai fala do compromisso que tenho com o País. É um privilégio saber que carregamos isso, de representar e servir o Brasil”.
 

Seu nome completo é Rafael Antônio Maia José Francisco Miguel Gabriel Gonzaga de Orleans e Bragança. “Rafael Antônio” é seu nome próprio, sendo que, “Antônio” é devido a uma promessa que seu pai fez a Santo Antônio, se seu filho nascesse homem. Os nomes “Maria” e “José” estão nos nomes de todos os integrantes da família, em homenagem a Nossa Senhora e São José, assim como “Miguel” e “Gabriel”, em devoção aos arcanjos. “Francisco” é em homenagem a seu padrinho de batismo (D. Francisco, irmão de seu pai) e “Gonzaga” homenagem a São Luiz, patrono da família.
EM ENTREVISTA ELE DISSE: 
Em um momento que vivemos uma crise de valores, ele mostra, com o próprio exemplo, como se deve portar um estadista.
“Eu sou estudante de Direito e como qualquer outro jovem gosto de esportes, trabalho em uma empresa, estou sempre atento ao mercado de trabalho. Como príncipe, procuro dar o exemplo pessoal como brasileiro. Acho isso importante. Quando vou fazer uma entrevista para emprego, as pessoas veem o meu sobrenome e logo digo: me avaliem como qualquer outro, pelo que posso oferecer”, afirma. 
 
D. Rafael já tem opiniões fortes sobre o regime vigente no Brasil: 
“Falam em democracia, mas que democracia? Nos dão a opção de dois ou três que são de um mesmo grupo e acabamos não tendo um chefe de estado que represente dignamente o País”.

Para o príncipe, melhorar a educação é, sem dúvida, o caminho para preparar um futuro para os jovens a começar pela mudança no currículo dos cursos de história. 
“É muito distorcida. Só lembram de coisas que diminuem o valor do nosso período imperial. Não está certo. Não valorizam o quanto foi bom para a formação do País. 
Os principais livros de história falam absurdos, grosserias. Não falam do grande avanço que foi o Poder Moderador, fundamental para harmonizar os três poderes”.
 
Outra grande mentira é quando relacionam a Monarquia com a escravidão.
 “Não veio com a Monarquia. Os Estados Unidos é uma república e tinha escravidão. Os próprios africanos escravizavam”, destacou. 
 
Ele tem esperanças no País. “
O Brasil é um País muito rico e o povo tem bom caráter, é trabalhador, lutador e empreendedor. O governo atual está dividindo o País. Falta a presença de um estadista que exerça a função do poder moderador”,completou.

FOTOS DA FAMILIA REAL BRASILEIRA:

sexta-feira, 15 de abril de 2011

PVAÍ FESTIVAL DE MÚSICA E POESIA FEMUP

 
O FEMUP...Festival de Música e Poesia de Paranavaí, existe desde 1966. É um dos mais antigos Festivais do Brasil e talvez o único que reúne em três noites poesia, música, conto e declamação. Alunos do Curso de Oratória e Liderança, do Colégio Estadual de Paranavaí, liderados pelo professor Gomes da Silva, pensaram em fazer uma “noite de arte”, envolvendo declamação, poesia e música. Levaram a idéia ao professor. Ele gostou. Mas aconselhou o nome de “festival” – sugeria festa, alegria – E disse: “Vamos chamar de 1º FESTIVAL DE MÚSICA E POESIA, pois poderá continuar”. Em 1968, o 3º Festival de Música e Poesia de Paranavaí, ganhou um companheiro, o 1º Concurso Literário de Contos. Então o FEMUP passou a se chamar Festival de Música e Poesia de Paranavaí e Concurso Literário de Contos. Todos os anos a Fundação Cultural promove este evento que conta com a participação de artistas de várias partes do Brasil. O FEMUP não é da Prefeitura. Não é da Fundação Cultural. Não é de ninguém. O FEMUP é patrimônio histórico nacional. Sua importância na vida das pessoas, que de alguma forma dele participam, transcende nossa compreensão. O Teatro Municipal de Paranavaí, foi inaugurado no dia 1º de abril de 2003 e a partir do dia 16 de dezembro de 2004 foi nominado como Teatro Municipal Dr. Altino Afonso Costa. As instalações do Teatro Municipal Dr. Altino Afonso Costa, demonstram requinte e conforto ao público e artistas. Juntamente com esta desenvoltura arquitetônica e tecnológica, encontramos uma equipe altamente qualificada para assessorar todos os eventos neste local, que é considerado como referência no Paraná. Sua capacidade é de 353 lugares. Dr. Altino Afonso Costa,Poeta, cronista, declamador. Lançou em 2001 seu livro de crônicas e poemas “Buquê de Estrelas”. Médico em Paranavaí, formado em 1960, pela Faculdade de Ciências Médicas do Rio de Janeiro. Nasceu em Avanhandava/SP. Cursou o antigo ginásio e científico no Colégio Salesiano de Lins/SP. Foi líder estudantil durante o curso de medicina: presidente do Centro Acadêmico, representante estudantil na União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Metropolitana de Estudantes (UME/RJ), representante dos estudantes de medicina em Congresso Internacional de Estudantes de Medicina realizado em Toluca, no México em 1957. Político, fundador do MDB de Paranavaí, participando de várias campanhas eleitorais. Fundador do Hospital São Lucas de Paranavaí. Trabalhou por vários anos na saúde pública e na perícia médica.
A Casa da Cultura de Paranavaí, foi inaugurada em dezembro de 1987 com o nome de Casa da Cultura Carlos Drummond de Andrade. O prefeito municipal da época era o senhor Benedito Pinto Dias e o primeiro diretor presidente da Fundação Cultural foi o senhor José Carlos Beckhauser por dois anos e pelos outros dois, o senhor Emir Mância. A Casa da Cultura é equipada com auditório para 130 pessoas, com ar condicionado onde acontecem palestras, seminários, sessões de cinema, espetáculos de teatro, dança e etc. Ali funciona também o Museu Histórico de Paranavaí, com vários documentos, peças, fotos e móveis em exposição permanente. São dinamizadas as oficinas livres de teatro, circo, dança, desenho, pintura a óleo sobre tela e literarte. A Casa da Cultura foi o primeiro equipamento cultural da Prefeitura e por ali, durante anos, foi a sede da Fundação Cultural de Paranavaí que a gerencia hoje. Paranavaí é um município localizado no Noroeste do Paraná, Fundada em 1951. A cidade é hoje centro de um município de 1 202,4 km² de área, onde vivem cerca de 86.218 habitantes de acordo com as ultimas estatísticas de 2014. Entre as mais jovens regiões do estado do Paraná a serem povoadas e colonizadas, como decorrência do ciclo do café, está imensa zona situada a noroeste, nas bacias dos rios Ivaí e Paranapanema, nos limites do Paraná com o Mato Grosso do Sul. A partir de 1930, o povoamento deslocou-se rapidamente para a Fazenda Velha Brasileira, atual zona urbana de Paranavaí, em terras virgens e férteis foi plantado nada menos que um milhão de pés de café. A inesgotável exuberância da terra da Fazenda Velha Brasileira atraiu, em curto lapso de tempo, pessoas de todos os quadrantes do país, que vieram de uma ou outra forma, contribuir para o progresso e desenvolvimento da cidade nascente. A Fazenda Velha Brasileira, surgindo sob inspiração de Dr. Lindolfo Collor, um dos líderes da Revolução de 1930 e autor da legislação trabalhista brasileira veio a pertencer-lhe. Posteriormente foi transferida à Companhia Braviaco. Algum tempo mais tarde, por conta do Decreto No. 800"de 8 de abril de 1931,as terras de Paranavaí voltaram ao domínio do Estado, sendo autorizado o seu loteamento. Data dessa época o início da decadência da povoação e da localidade. Devido à burocracia existente, verificou-se um verdadeiro êxodo na população, que abandonava o patrimônio para fixar-se noutra localidade. Somente a partir de 1944, reiniciou-se o loteamento sob orientação do Dr. Francisco de Almeida Faria, quando, então se acredita, a localidade recebeu a denominação de "Colônia Paranavaí", neologismo formado pela junção dos nomes dos rios Paraná e Ivaí. Em 1956, no concurso promovido pela Associação Brasileira de Municípios, Paranavaí foi classificada, recebendo o "Diploma de Honra", como um dos cinco municípios de maior progresso e desenvolvimento em todo o Brasil sendo entregue pelo então presidente da república Juscelino Kubitschek.
Paranavaí conta com um dos mais modernos teatros do Paraná. O Teatro Municipal Dr. Altino Afonso Costa, que foi inaugurado na noite de primeiro de abril de 2003 com o espetáculo O Segundo Sopro, do Balé Teatro Guaíra. O Teatro está no Centro Cultural Rodrigo Ayres, palco em estilo italiano, três camarins e ar condicionado central. A obra tem ainda um elevador para pessoas deficientes e um moderno sistema de som. O Femup - Festival de Música, Poesia e Contos de Paranavaí é um dos únicos do gênero no Brasil e é realizado há mais de 45 anos. E ainda o Projeto Ler para Crescer, que é uma feira onde são expostos vários livros e trabalhos para todo tipo de idade. A pouco tempo atrás foi lançado um livro sobre a cidade, intitulado "Paranavaí, Sua Marca...Sua História...Sua Gente" e escrito pela professora Fátima Ferreira Louro Pinto. Além do Teatro Municipal, Paranavaí ainda conta com uma Casa de Cultura, com um pequeno teatro para apresentações e eventos menores. O Museu Histórico de Paranavaí, existe desde o ano de 2007. Iniciou-se primeiramente como o Projeto Memória e História de Paranavaí que busca resgatar, preservar e salvaguardar o Acervo Histórico e Cultural do Município de Paranavaí. Funciona atualmente junto ao prédio da Casa da Cultura Carlos Drummond de Andrade e é administrado pela Fundação Cultural de Paranavaí. O acervo do Museu já conta hoje com cerca de mais de 600 peças, incluindo fotos, obras de arte, objetos do cotidiano dos pioneiros, documentos e outros. Seu espaço é dividido entre a Exposição Permanente, dividida em várias fases, e a Exposição Temporária. A equipe do Museu desenvolve várias atividades de ações educativas, entre elas está a Oficina Literarte que recebe duas vezes na semana, no espaço do museu, crianças e adolescentes para vivenciarem atividades que reúnem história e arte. O Museu está aberto de segunda a sexta-feira, sendo possível abrir em outros horários com agendamento prévio. onde fazemos um passeio pela história de Paranavaí através do acervo, assim como fazemos uma viagem pela memória de outros tempos.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

PVAÍ CAPITAL DA LARANJA E CIDADE POESIA

Fala Galera...Meu Nome é Elessandro de Almeida,Sou Fotógrafo de Paranavaí - PR...O primeiro núcleo de colonização de Paranavaí surgiu em 1930, com a antiga Fazenda Montoya. Naquela época, grandes negociações de terras foram feitas no Paraná, fazendo com que a economia do estado crescesse. Na época da Revolução liderada por Getúlio Vargas, na década de 30, o governo começou a retomar as concessões de terras feitas a proprietários contrários ao novo regime. Aos que apoiavam Getúlio, foram feitos grandes investimentos. A Fazenda Brasileira tinha como proprietários Lindolfo Collor de Mello e Landulfo Alves, duas personalidades públicas ilustres da época. Collor era o ministro do Trabalho de Getúlio Vargas e Alves o interventor Federal do estado da Bahia. Foram plantados na Fazenda Brasileira 1 milhão de pés de café, absorvendo a mão-de-obra da Fazenda Montoya, que se esvaziou. Em 1931, o governo se apropriou das terras da Fazenda para colonização. O estado loteou a imensa área. A atividade cafeeira que estava em alta foi prejudicada pelo início da colonização, por causa da burocracia para a legalização das terras. Vieram para a região principalmente colonos japoneses e portugueses, libaneses, espanhóis e alemães. A única ligação que o povoado tinha era uma rodovia em direção ao estado de São Paulo.
O interventor Manoel Ribas determinou a abertura de uma ligação com o município de Arapongas, que foi melhorada em 1939. Após 1944, o povoado foi rebatizado como Colônia Paranavaí. Em 14 de dezembro de 1951 foi criado o município de Pvaí e no ano seguinte, foi instalada oficialmente a sede do município, em 14 de dezembro de 1952. O primeiro prefeito foi José Vaz de Carvalho. Antes da colonização, Pvaí era totalmente coberta por uma exuberante variedade vegetal da Mata Atlântica, que cobria todo o estado. Com os ciclos econômicos da pecuária e do café, a mata original foi praticamente erradicada do município. Hoje restam apenas 2% da vegetação nativa. Para mudar esse quadro, nos últimos cinco anos foram plantadas cerca de 610 mil mudas, cobrindo cerca de 250 hectares. A política de reflorestamento continua na cidade, com a participação de crianças de todas as escolas do município.
Os rios do município também estão sendo recuperados com a reconstituição das matas ciliares. A Secretaria Municipal do Meio Ambiente, o Instituto Ambiental do Paraná e o Ibama estão fiscalizando a bacia hidrográfica do Rio Paraná na região, assegurando a preservação dos mananciais. Esses órgãos desenvolvem projetos para o aumento da fauna fluvial e a limpeza dos leitos dos rios. Em Paranavaí, o meio ambiente é prioridade em qualquer ocasião. A instalação de empresas e a construção de novos prédios estão condicionadas à conservação do meio ambiente. O Bosque Municipal é um centro de educação ambiental, servindo de referência para a preservação do meio ambiente não só em Paranavaí, mas em toda a região. Com 119 estabelecimentos de ensino e duas universidades, Paranavaí é o pólo de educação para mais de 30 municípios do noroeste do Paraná e de outros estados. a população frequenta instituição de ensino, desde a pré-escola até a faculdade.
Os alunos de todas as idades têm direito ao passe livre, podendo utilizar gratuitamente o transporte coletivo para chegar até as escolas ou a universidade. Além disso, milhares de alunos das escolas rurais são transportados diariamente por carros da Secretaria Municipal de Educação. Com 19 cursos universitários, Paranavaí é o centro de educação superior da Região Noroeste. As duas universidades existentes na cidade atendem a população de toda a Região Noroeste, Sul de São Paulo e Mato Grosso do Sul. As universidades estão em plena expansão, com a previsão de novos cursos. O Femup - Festival de Música e Poesia de Paranavaí,é o maior evento cultural da região, além de ser o único festival a contar com apresentações musicais, declamações, concurso de contos e poesias. O Femup reúne artistas de todo o Brasil.
Paranavaí conta com uma variedade enorme de artistas plásticos. O artista Roberto Pereira da Silva, conhecido nacionalmente como Persil, é o maior expoente da cidade. Paranavaí conta com a única Mostra Anual de Artes Plásticas da região. Artistas plásticos de todo o país participam da Bienal de Artes Plásticas.  Destaque no cenário musical brasileiro, o Grupo Gralha Azul é um patrimônio cultural de Paranavaí. Levando a musicalidade e as histórias da região a todo o país. Gralha Azul tem uma longa e bem sucedida carreira. A Fundação Cultural de Paranavaí também mantém outros músicos, como a Orquestra de Sopros, e o Coral Viva Voz, grupo vocal com repertório popular variado. Paranavaí conta com dezenas de atores e diretores teatrais, em diversos grupos de artes cênicas. Um moderno teatro, instalado no Centro Cultural de Paranavaí, é o referencial da região para espetáculos teatrais. A cidade também conta com escritores e poetas de renome.
O poeta Altino Afonso Costa publicou recentemente o livro de poesias Buquê de Estrelas. Paulo Campos também escreve poesias, destaque para o livro Memórias de Luta. O escritor Sérgio Rubens Sossella, publicou livros como Poeta de Casa Ardendo. O Atlético Clube Paranavaí, chamado carinhosamente de Vermelhinho pela torcida, é uma das maiores paixões do povo da cidade. O clube atrai milhares de torcedores em todos os jogos. O quartel-general do Vermelhinho, o Estádio Waldemiro Wagner, possui capacidade para cerca de 30 mil espectadores, sendo o maior da região. Outra paixão dos torcedores é o time de futsal da São Lucas. O time, que existe desde 1980, é um dos destaques no cenário estadual. Entre os títulos conquistados, o São Lucas foi campeão geral do campeonato paranaense de futsal. O São Lucas é composto por atletas que competem em diversas categorias, de crianças a adultos, amadores e profissionais. Paranavaí possui dois Centros de Excelência para a descoberta de novos talentos no vôlei e no handebol. Duas quadras padronizadas e instrutores graduados servem de apoio para o destaque de novos atletas. E atletas de Paranavaí participam de competições em todo o Brasil. Paranavaí também é um celeiro de novos talentos no atletismo e na natação.
Assim como acontece na Educação, Paranavaí é o pólo para o atendimento médico dos municípios do noroeste do Paraná. Para isso, a cidade conta com um Centro Regional de Especialidades, com consultas nas mais variadas áreas da medicina. O município também possui um Hemonúcleo Regional, atendendo a uma população de aproximadamente 300 mil pessoas. Os dois centros fazem parte do Consórcio Intermunicipal de Saúde dos municípios do noroeste. Centenas de clínicas e hospitais fazem de Pvaí centro de referência para a saúde da região. Com ambulatórios de ortopedia, ginecologia, obstetrícia, maternidades, UTI e leitos suficientes para o atendimento de toda a região, a cidade recebe dezenas de ônibus com pacientes diariamente. Com os investimentos, Pvaí se torna um pólo de especialidades médicas, com capacidade de realização para qualquer procedimento de saúde, com clínicas atendendo as mais variadas especialidades médicas. A agropecuária continua sendo alavanca que impulsiona o crescimento da cidade.
Pvaí possui uma intensa atividade agrícola. A produção de mandioca abastece dezenas de farinheiras e fecularias. Milhares de toneladas de mandioca são processadas por dia no município. Pvaí é o maior produtor estadual de mandioca. A citricultura é outra marca da cidade, que ficou conhecida como a "capital da laranja". Pvaí é o segundo município do estado em produção de frutas, com 17% das 750 mil toneladas anuais. A cidade conta com duas indústrias processadoras de laranja, que produzem suco concentrado para exportação, principalmente para a Europa. O noroeste do Paraná possui 36% do rebanho bovino do estado, estimado em 9,7 milhões de cabeças. A região detém quase 60% de todos os frigoríficos do Paraná. Os frigoríficos de Pvaí também exportam a maior parte de sua produção para Europa. A cidade também se destaca na produção de leite e derivados. Pvaí é responsável ainda por 6% de todo o leite produzido no estado. A atividade agroindustrial cresceu sensivelmente em Pvaí. O crescimento no setor garantiu ao município a quarta posição no ranking das cidades com maior oferta de emprego no estado. A partir de projetos da Prefeitura, foi criada a ADAP (Associação de Desenvolvimento da Agroindústria de Pvaí), que reúne dezenas de micro-empresários da agroindústria, gerando milhares de empregos.